Calor…

Olá amigos, este texto é uma contribuição do novo sócio do Botequim Virtual, meu grande amigo Breno. Espero que gostem e deixem um comentário. Beijos&Abraços, Nando.

Ah, a cerveja gelada numa cadeira plástica de boteco numa tarde de verão tropical do Rio de Janeiro. Nada melhor para aliviar um pouco o calor interminável dessa época do ano. Que ainda é pior quando temos que trabalhar, e sair pro Sol vestindo calças… Calças? Num calor destes? Por que isso? Porque não sou advogado, então não tenho que ir trabalhar de terno!

Certa vez, li, em algum lugar, que no Japão algumas empresas estavam estimulando os funcionários a trocar os ternos por bermudas, por questão de economia de ar condicionado. Não sei se era verdade. Mas faz todo o sentido. Faz sentido economicamente, ecologicamente e humanamente. Porque é desumano querer que alguém use terno num calor desses.

Infelizmente, por questões culturais importadas de países frios, o formal, o mais apropriado, é usar muita roupa, cobrindo o corpo inteiro. É inapropriado e deselegante ir ao emprego usando menos que calças, ao escritório usando menos que terno e a uma festa formal usando menos do que um traje de corpo inteiro (as mulheres pelo menos podem deixar os braços de fora nessas ocasiões).

Os nativos habitantes dessas terras tropicais, no entanto, vestiam-se de forma mais apropriada. Quase, ou totalmente, nus. Para suas situações formais, festas e cerimônias, tinham normas igualmente adequadas. Usavam cocares, colares, cordões e pinturas corporais. E assim, cumpriam suas exigências sociais, sem ter que se torturar para isso (exceto, talvez, pelas peças que perfuravam o corpo. Mas, estranhamente, esses já se tornaram mais aceitáveis por aqui do que as peças de roupa curta).

Mas nós continuamos seguindo os padrões dos países frios, nos torturando na rua, e gastando um monte de energia para deixar os prédios e os carros com clima temperado. Não sei se é verdade a notícia do Japão, mas o que eu realmente gostaria é que ela se tornasse verdade por aqui.

Até lá… Traz outra cerveja, Adamastor! Bem gelada! Que o calor tá de matar!

Breno.

Anúncios

5 Respostas para “Calor…

  1. E essa atitude já é adotada em algumas corporações, que entendem que a formalidade não está totalmente relacionada com a roupa que se traja. Pode-se estar igualmente respeitável se estiver usando uma bermuda, abre aspas, social (não daquelas rasgadas e que já viram muitos verões na praia) e uma camisa pólo ou social.

    Claro, a calça deve ser mantida para os empregos em que a calça oferece uma segurança, como técnicos que trabalham em fábricas. De resto, vamos nos adaptar ao Brasil.

    Adamastor, traz mais uma que essa já secou!

  2. Gerivaldo Oliveira

    Concordo Plenamente,

    Que essa adaptação chegue o mais rápido possível. Tudo bem que a vestimenta às vezes faz com que o ambiente e a pessoa estejam mais preparadas… Mas isso pode ser frescura minha, por exemplo quando tenho uma reunião daquelas que vai ser difícil e por consequencia me visto bem, faço a barba fico “na linha” até me sinto melhor para o DIA.. Mas, é claro que como toda transição, seria um processo demorado e de uma certa forma estável.

    Abraço a todos

    ps: Adorei a contribuição do nosso Querido Breno.

  3. brunonadkarni

    Ô Adamastor! Acho que você me deu um copo furado, meu camarada. Você enche o meu copo e ele não fica nem meio minuto cheio… Como é isso?!

    Não há como discordar do amigo notável estreante Breno (que estimo muitíssimo). O verão carioca é quente demais até pra se trabalhar de sunga! Felizmente, onde trabalho posso ir trabalhar de bermuda (desde que semi-social: daquelas da Richards, saca?) e camiseta sóbria.

    Alguém já viu O Xangô de Baker Street? No filme, Sherlock Holmes visita o Rio de Janeiro e uma das primeiras coisas que faz é visitar um alfaiate pra mandar fazer um terno “tropical”. O Dr. Watson também se adapta: ele faz moda com aquelas sandalias de couro nordestinas… Bem legal. Hehe.

    Abraços.

  4. Enfim eu venho beber algo nesse botequim!!!

    Nossa, deu saudade dos tempos em que ia de shorts e Havaiana assistir aula no IACS e estava bem vestida pelo resto do dia.

    Definitivamente, “moro num país tropical e roupa fresca e/ou pouca roupa poder ser formais…

  5. Felipe Augusto

    UH
    UH UH
    Geral, Nu!!!!!!!!

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s