Escotismo vs Mercado de Trabalho

contratacaoDe vez em quando, fico pensando em situações irreais e fictícias (pelo momento, às vezes). Já pensei em como ser quando for pai, como ser quando for morar sozinho, como ser quando voltar a me apaixonar. Enfim, desta vez, um pensamento que me veio seria como contratar alguém (se eu fosse gestor na minha profissão). Qual o perfil eu contrataria?

Por ser escoteiro, e ter sido criado em um ambiente tipicamente escoteiro, levo a crer que contrataria (quem adivinha?) uma pessoa que tenha sido do movimento escoteiro (tá-dá!). Claro! Somos treinados, estimulados e inspirados a acreditar que todos os escoteiros são seres bacanas, especiais, com dons que a sociedade tem carência e que ninguém mais, além de nós, tem esses dons. Correto? Errado!

Sou profissional com dupla jornada de trabalho: uma que se iniciou há, mais ou menos, 2 anos e meio, bem quando finalizei os meus estudos na faculdade. A segunda (que deveria ser a primeira) é aquela cuja carreira segui após ter concluído a minha, por assim dizer, educação escoteira em 2007. Decidi que queria ajudar jovens a serem melhores e mais, assim como alguém fez por mim quando eu tinha 12 anos.

Nesta pequena experiência, creio que o escotismo muito contribuiu para que eu tivesse um bom emprego em uma boa empresa. Ele ajudou a desenvolver meu caráter, a minha habilidade em se virar e, especialmente, a sorrir nas dificuldades. Parece que não, mas isso faz diferença.

No entanto, esta mesma experiência me mostrou que existem sempre dois mundos para qualquer coisa desta vida: o imaginário, idealizado e construído através dos mais puros sonhos. E existe a realidade, que digamos, é mais cruel e dura do que aquele mundo coloridinho e bonitinho do imaginário. Apesar de mirarmos no mundo mais belo, vivemos na realidade.

Apesar de muitas pessoas atribuirem grandes características do indivíduo ao movimento escoteiro, como o trabalho em equipe e o respeito a diferentes pontos de vistas, particularmente, duvido que todas as pessoas que passaram pelo movimento tenham características iguais (não idênticas, mas similares). E além do mais, tenho certeza de que os adultos no movimento escoteiro tem as mais diversas características, tendo inclusive maus hábitos, apesar daqueles que creem que os adultos no movimento são tão “limpos de corpo e alma” quanto seus jovens.

Ao mesmo tempo, observo que, no mundo profissional (remunerado), algumas pessoas que tive o prazer de conhecer apresentam traços tão fortes de uma genuína “marca escoteira” (companheirismo, honestidade, cortesia, etc) que apenas lhe faltam colocar um lenço e fazer a promessa. São exemplos a serem seguidos dentro da empresa, apesar de poucos observarem estas características e seguirem o exemplo.

Por isso, apesar de tudo, não contrataria um escoteiro que não tivesse a honra de conhecer. Pode ser a melhor pessoa do mundo, mas infelizmente, sei que somente estar escrito que ele é voluntário pelo movimento escoteiro não o torna uma pessoa trabalhadora, que veste a comisa e não espera que o digam o que fazer. Alguém que realmente está participando do processo e assume responsabilidades por conta própria, essa é a pessoa certa a ser contratada, independente de ser escoteiro ou não.

E hoje em dia, o que mais vale que um belo currículo são as ações que o tornam verdadeiro.

Adamastor, manda um whiskey que hoje foi grande esse post e merece a devida apreciação. Não me importa que você não tenha sido escoteiro: você é eficiente!

Beijos&Abraços, Nando.

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s